Vida Verde. Parte II.

POR Dr.Mauro Montaury de Souza.

É possível modificar nossos vícios alimentares ou modificar alimentos tão contaminados que são vendidos nos centros agrícolas da periferia das cidades, vindas dos seus cinturões verdes que usam substâncias tóxicas na produção de alimentos?

A grande revolução alimentar é o uso de vegetais de uso não habituais e que por serem resistentes as pragas convencionais e de alto teor nutricional enriquecem o prato do brasileiro. Existem bons trabalhos do Ministério da Agricultura e de diferentes universidades.Segue no Post.

O Ministério da Agricultura distribuiu orientação das hortaliças não convencionais para estimular a produção de alimentos habituais e ampliar o leque da alimentação não contaminada e de fáceis cultivo.PDF HORTALIÇAS NÃO CONVENCIONAIS.

Existem dezenas de hortaliças não convencionais. As mais conhecidas elencamos abaixo:

inhame, taió, taraxacum (dente de leão), serralha, capuchinha, chicória, bertalha, azedinha, araruta, almeirão de árvore, chuchu de vento, ora por nobis,beldroega, capiçoba, etc

VÍCIO ALIMENTAR DOS MESMOS ALIMENTOS

Temos um vício alimentar usando aproximadamente somente cento e cinquenta(150) espécies de plantas, quando existem mais de 27.000 plantas que se pode usar para alimentação.

Diferente de VÍCIO ALIMENTAR (do vício de comer-alimento como droga,compulsão,comer rejeitar para não engordar,etc).

A FAO- Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura orientou a população geral ao consumo de insetos devido a sua rica fonte proteica e concomitantemente reduzindo a disseminação de besouros e grilos, pragas tão graves para a produção de alimentos, além de preservar o ecossistema do solo. O objetivo da organização é o problema da fome no mundo e o não uso de agrotóxicos.

As plantas alimentares usadas diariamente para consumo, não passam de 20 por dia e cerca de 100 no período de um ano. São mais de 27 mil  espécies que podem ser usadas para nos alimentar.

Os alimentos básicos da America do Sul, lado brasileiro, eram: mandioca, batatas, inhames, taiós, tubérculos alimentares. No lado andino o representante básico era o milho, o “maiz”, isto é, grandes grãos de milho e com mais de 300 tipos diferentes. Com a Expansão Europeia das Grandes Navegações o povo português e o espanhol trouxeram nas caravanas o arroz e o trigo, difundindo este cultivo em solo tão nutritivo, mas não preparado para este cultivo como o meso oriente e oriental na Europa e Ásia.

Não podemos esquecer das caixas de bacalhau português e dos países escandinavos, que chegavam para a Coroa Portuguesa no período escravagista. sustento da Classe Imperial Portuguesa. Com a sobra das partes não nobre e desprezadas dos porcos o povo africano transformou num prato famoso junto com o feijão a nossa feijoada brasileira.

Passado 5 (cinco) séculos, mais que 50% das espécies alimentares consumidas em solo brasileiro são de origem da Europa e da Ásia. No seu cultivo aqui (arroz e trigo), gastamos bilhões de dólares na preparação do solo e no uso de sementes modificadas e no consumo de toneladas de pesticidas.LINK BRASIL CONSUMO AGROTÓXICOS.

O Brasil importa mais de 60% de todo trigo consumido e cerca de 90% dele é produzido na região sul.

As modificações genéticas e hibridizações dos cereais: milho, trigo, soja foram feitas na década de 50 e 60 nos centros de pesquisa agrícola da serra gaúcha com tecnologia americana.LEMBRAR DO PAI DO TRIGO DO RS. DR. IVAR BECKMANN e as mutações genéticas do trigo e as doenças geradas.

O trigo adoeceu e gerou na população : obesidade, diabetes mellitus, dislipidemias, artroses, demências, intolerância ao glúten e doenças afins, além de doenças autoimunes -BARRIGA DE TRIGO.

ALIMENTO - MATO SAUDÁVEL E NUTRITIVO.

Podemos aprender a comer mato saudável, nutritivo, de baixo custo e sem agrotóxicos. Gerando uma dieta saudável e geradora de saúde alimentar na dieta do brasileiro. O cultivo desses alimentos não precisa de agrotóxicos o que por si só não gera doenças e nem economia escravizantes e dependente das inúmeras industrias farmacoquímicas. É UMA REALIDADE NACIONAL.

O conceito vida verde, viva verde vida, trás a mesa do brasileiro alimentos com saúde e com nutrientes riquíssimos. Vida com qualidade. PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO CONVENCIONAIS.

Por Mauro Montaury Data:Jul 31, 2016 Comments :
 

Leave a Reply