Vida Verde. Parte I.

Por Dr. Mauro Montaury de Souza.

A vida surge da vida. Da morte não surge a vida. Não existe vida sem movimento da vida. MOVIMENTO DA VIDA. DR.MATHIAS RATH.

A Medicina da Vida se preocupa e orienta pela educação da vida, dos bons hábitos alimentares, atividade física regular, vida contemplativa / reflexiva. Uma vida sem o stress urbano sem a civilização da morte e das doenças advindas pós-industrialização com produção e consumo maciço de produtos químico-tóxicos para a saúde humana.

Aprendemos com as grandes civilizações que preservaram o conhecimento das suas tradições. Guardaram e divulgaram seus ensinamentos boca ouvido perpetuando sua sabedoria. Apresentaram poucas doenças, evitaram os seus vícios e maus hábitos e desenvolveram talentos nas suas comunidades. São as civilizações que possuíam colegiado dos anciãos e desenvolveram antropologia social e cultural voltada para sua evolução de vida.

Com o conceito Vida Verde tentamos minimizar os milhares de agrotóxicos usados abundantemente e que assassinam a saúde do povo brasileiro e da população mundial.

O agricultor desinformado e/ou teimoso e ignorante( falta de conhecimento), acredita que se não usar agrotóxicos não vai ter produção e lucro. Não sabe mais produzir alimentos sem venenos, sem agrotóxicos, sem toxicidade, sem doenças, sem cânceres para si e seus familiares. Existe toda uma população que consome seus produtos agrícolas.

Não sabem produzir sem sementes transgênicas, sem sua economia local atrelada as megas industriais farmacoquímicas imperadoras e fornecedoras mundiais de adubos e defensivos agrícolas, geradoras de doenças globais. É a industria de doenças e mortes escravizantes do ciclo pesticidas-doenças, remédios e mortes.Criada pela Revolução Verde.

A Medicina deveria se preocupar com as doenças geradas no trabalho com agrotóxicos em um século de vida de uma família como: doenças psico comportamentais (insônia, irritabilidade, cefaleias, depressão, agressividade, consumo de drogas, suicídios, homicídios, distimias, alterações cognitivas e comportamentais); cânceres de sistema vitais e locais como: pulmão, rins, intestino, boca, medula, linfático, óssea, sistema digestivo, cérebro, fígado, órgãos reprodutivos. Eram gerados em uma vida doenças com caracteres genéticos comprometendo sua descendência hereditária. Sua Biografia Humana.

As doenças mentais cérebro degenerativas são diretamente relacionadas e causadas pelos agrotóxicos tipo demências vasculares e Alzheimer, Doença de Parkinson e Síndrome de Korsakoff acrescida com etilismo e drogas.Esta população apresenta grande consumo de alcoólicos e de drogas.

Existem soluções para este sério problema mundial?

O que se pode fazer na atualidade?

Primeira resposta: Um indicativo prático o filme ” Um homem, uma vaca, um planeta”. Experiência do engenheiro agrônomo biodinâmico antroposófico australiano Dr. Peter Prodoctor

Segunda resposta: Temos que aprender com a maior vivência nutricional e experiência alimentar mundial que ocorreu no período da Primeira Grande Guerra, na Dinamarca. Este país sofreu um boicote econômico que bloqueou entrada de alimentos, produtos industriais e cereais. Encarregaram o Dr. Mikkel Hindhede de realizar o programa de racionamento de alimentos. Ficou registrado a menor incidência de mortes por doença na história do país: 34% a menos que a média dos dezoito anos anteriores, fato que torna difícil não fazer também uma relação entre a dieta vegetariana e a diminuição na taxa de mortalidade.SOLUÇÃO FOME MUNDIAL.

Com o boicote econômico e alimentar, os cereais que alimentariam os animais de corte e abate, foram usados para alimentar o povo dinamarquês. Nesta década posterior ao boicote econômico comprovou-se a menor incidência de doenças apopléticas (infarto agudo do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais) e de doenças crônicas degenerativas. Melhorou a saúde do povo escandinavo.

As doenças podem ser facilmente controladas e evitadas, o que dificultam são nossos vícios ou maus hábitos e o ganho secundário da indústria da doença e da morte (alimentos irradiados, conservantes, pesticidas, agrotóxicos, hormônios, metais pesados, radiação eletromagnética).Falta política de não violência.

É possível modificar nossos vícios alimentares ou modificar alimentos tão contaminados que são vendidos nos centros agrícolas da periferia das cidades, vindas dos seus cinturões verdes que usam substâncias tóxicas na produção de alimentos?

Hortaliças não convencionais.

O Ministério da Agricultura distribuiu orientação das hortaliças não convencionais para estimular a produção de alimentos habituais, nutricionais e ampliar o leque da alimentação não contaminada e de fácil cultivo.PDF. MANUAL HORTALIÇAS NÃO CONVENCIONAIS.

Por mauro montaury de souza Data:Dez 3, 2015 Comments :
 

Leave a Reply