Artificialização da Vida.

Por Dr.Mauro Montaury de Souza.

A vida é, não pode ser inventada artificialmente, é criação divina.

Quanto mais o Ser humano cria métodos para substituição das partes do ser humano, mais artificial e sem força vital é o produto final: “Artificialização da Vida”.

Criamos substâncias que imitam os componentes vitais humanos: pele artificial, sangue artificial (sem contar na substituição de sangue tipo especifico ABO), próteses cardíacas, substituições vasculares, partes de ossos, implantes dentários, articulações ósseas, e um número infinito de outros exemplos atuais. Até troca de órgãos  viscerais totalmente mortos tirados de defuntos são usados para transplantes renais, hepáticos, medulares ósseos e de diferentes sistemas viscerais humanos.

Diariamente em diferentes partes do mundo retiram-se partes do corpo humano específico para colocar em outros corpos, com as idéias mecanicistas de troca de peças, como se o Ser Humano fosse um carro e que bastasse trocar uma peça que estragou ou esgotou seu tempo de função após um par de décadas de uso.O-design-do-corpo-protetico-e-a-artificializacao-do-humano

Vivemos ainda com um pensamento mágico e criamos a ovelha de Dolly, que embora clonada, na sua evolução nasce criança e morre pouco tempo após envelhecimento acelerado. Tornamos nos co-participes na elaboração do humano, da idéia da montagem do Monstro  Franskestein, com pedaços de diferentes partes de muitos seres humanos,  na tentativa de artificializar a vida humana e sermos deuses da criação.

Parecemos artífices moldadores de barro e sopradores do espírito de araque.

Não podemos esquecer que O Espírito é Uno, A Alma é particular, individual e que o vaso humano (a parte material do corpo humano) no processo de criação é também Una, Indivisível e Insubstituível.

Não é possível, após décadas não cuidando de sua saúde e apresentando múltiplas doenças crônicas degenerativas, e vícios, e numa batida milagrosa da varinha mágica de condão “Plim”, tudo se transforma e você num piscar de olhos cura-se, rejuvenesce ou adquire saúde.Passamos para a União, O Estado, O Município e as empresas de saúde para serem responsáveis pela saúde humana. O ser humano transfere a responsabilidade do seu cuidar da sua saúde para orgãos públicos. Tentam tornar o Ser Humano sadio, longevo e sábio como Matusalém.

Quem tem olhos poderosos e sentidos aguçados possuem a percepção hiperconsciente de ver e sentir fluxos de energia em todo o ser humano. Percebe que infinitas energias entram e saem do Ser Humano na sua atividade de vida diária. Vê energias saindo pelas mãos, entrando pelos sentidos supersensíveis. Percebe os fornix dos Chakras de entrada e saída e suas velocidades de fluxo. Na atualidade enganam se todos os doutos googlianos, peritos dá informação de casca.Existe um infinito universo composta de todos reinos e que cada individuo se identifica pela lei de semelhança com sua força vital e neste imenso universo sensorial a sua nota musical será tocada e lhe curará.

Sentir a ligação com o Altíssimo Celestial seja qual for a sua concepção religiosa ou procura mística. Unir a este  universo nossa  Energia da Terra com a do Cósmico. As fontes repositórias e eliminatórias nas trocas de energia são notadas. Compreendem numa simples visão, o quanto de divino ou terrestre cada ser humano carrega na sua biografia humana. Timo A chave da imunidade e da Energia Vital

A leitura do Ser Humano deve ser total: espiritual, emocional, energética, metabólica e física. O corpo fala e conta suas várias histórias. É preciso compreender no mais fundo do seu Ser a Unidade da Vida Humana e a Energia de cada ser.

Tudo que seja criado artificialmente ou se for parte de outro ser humano, ser construído em laboratório ou clonado NÃO É VIDA HUMANA. São partes de energias diferentes daquela ESPECÍFICA, ÚNICA, INDIVIDUAL criada na concepção reprodutiva humana.

A fagulha divina é insubstituível. A vida é e não pode ser replicável e é evolutível e perene, é criação divina na evolução das leis naturais.

Por Mauro Montaury Data:Mai 23, 2017 Comments :
 

Leave a Reply