Refém-Não! Parte I

Por Dr.Mauro Montaury.

O processo de culturalização é muito complexo e envolve a biografia humana, a antropologia social e a família originária da sua história pessoal genética.

O que está acontecendo na sociedade atual com a família e o idoso?

Aonde estão caminhando os costumes fundamentados na formação ética e justa ligada ao conceito de família?

No processo de nascer/crescer/desenvolver/envelhecer e morrer do ser humano sem família estruturada na ética enfrenta muitas situações conflitantes como:

-O amor é a mola formadora e estruturante da gratidão ao amparo dos anciãos.O que fazer quando o desamor impera?

-O carinho e o afeto do contador de estorias, os bons conselhos e as palavras amigas do idoso,quando não existem porque abandoná-los?

A correria, a pressa da sociedade estruturada no instantâneo e no capital desumano, na negligência social, no abandono humano, esquecem a história de vida que êles (os idosos) realizaram nesta existência e a aprendizagem transmitida pelos seus antepassados.Estatuto do Idoso.
“sociedades não fundamentadas ou não centradas na sabedoria dos anciãos são sociedades fadadas a desaparecer como civilização”

“as grandes sociedades centradas nos conhecimentos dos colegiados dos anciãos e sedimentadas na sabedoria acumulada pelos séculos ajudaram a desenvolver instrumentos mais apurados,ferramentas que levaram ao progresso civilizatório destes grupos.”

Porque atualmente os idosos quando vão envelhecendo são colocados em asilos, são afastados dos seus lares vividos por décadas,são deslocados de seus lares pelos familiares?

O que na sociedade atual torna os idosos reféns de  filhos, parentes, genros, noras, familiares?

Estudo maus tratos em idoso Ribeirão Preto-SP.

Porque os idosos são retirados dos seus referencias de vida afetivo social?

 

Porque a cultura desenvolvida num determinado local, com objetos pessoais, cheios de vivência e de história pessoal do idoso são arrancados ou afastados deles subitamente?

O que está acontecendo com os gerontos que adoecem quando mudados de habitat? Abuso.

Estas desestruturações geram diferentes enfermidades:

-Desequilibrios corporais, estruturais manifestados por tonturas, insegurança na deambulação e quedas por interferência na sua força vital (seu chi energético foi atingido e sente falta do seu chão, seu habitat normal).

-Alteração da sua memória de vida quando mudam coisas e objetos dos seus locais tradicionais.

-Mudam, modificam, morrem as pessoas que sempre conheceram e ligados afetivamente ao seu universo pessoal.

A antiga tanatologia do idoso envolvia a família e todo seu ambiente emotivo, antropológico social e pessoal.Tudo era centrado na casa, na família e na história pessoal do ser que estava realizando a transição.

Atualmente transferimos este papel antropológico social para o asilo, o hospital e a passagem deixa de ser a vivência dos familiares e a cultura socioantropológica da transição e abandona, esquece, perde todos os ritos de passagem.

Esquecemos todos os ritos culturais de séculos…

Esquecemos todas as historias trnsmitidas boca ouvido…

Que saudade das histórias contadas pelos anciãos e sua riqueza de detalhes…

Diziam algo que é difícil de escutarmos hoje em dia,dizia: ” que pessoa de fundamento, é bom prestar atenção  e escutar o que diz”.

Sabedoria é algo que não se aprende na universidade, é algo que se aprende na vida. É algo que cristaliza dentro da alma humana e não se esquece.

Por Mauro Montaury Data:Nov 28, 2011 Comments :
 

Leave a Reply