Vida Verde. Parte II.

POR Dr.Mauro Montaury de Souza.

É possível modificar nossos vícios alimentares ou modificar alimentos tão contaminados que são vendidos nos centros agrícolas da periferia das cidades, vindas dos seus cinturões verdes que usam substâncias tóxicas na produção de alimentos?

A grande revolução alimentar é o uso de vegetais de uso não habituais e que por serem resistentes as pragas convencionais e de alto teor nutricional enriquecem o prato do brasileiro. Existem bons trabalhos do Ministério da Agricultura e de diferentes universidades.Segue no Post.

O Ministério da Agricultura distribuiu orientação das hortaliças não convencionais para estimular a produção de alimentos habituais e ampliar o leque da alimentação não contaminada e de fáceis cultivo.PDF HORTALIÇAS NÃO CONVENCIONAIS.

Existem dezenas de hortaliças não convencionais. As mais conhecidas elencamos abaixo:

inhame, taió, taraxacum (dente de leão), serralha, capuchinha, chicória, bertalha, azedinha, araruta, almeirão de árvore, chuchu de vento, ora por nobis,beldroega, capiçoba, etc

VÍCIO ALIMENTAR DOS MESMOS ALIMENTOS

Temos um vício alimentar usando aproximadamente somente cento e cinquenta(150) espécies de plantas, quando existem mais de 27.000 plantas que se pode usar para alimentação.

Diferente de VÍCIO ALIMENTAR (do vício de comer-alimento como droga,compulsão,comer rejeitar para não engordar,etc).

A FAO- Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura orientou a população geral ao consumo de insetos devido a sua rica fonte proteica e concomitantemente reduzindo a disseminação de besouros e grilos, pragas tão graves para a produção de alimentos, além de preservar o ecossistema do solo. O objetivo da organização é o problema da fome no mundo e o não uso de agrotóxicos.

As plantas alimentares usadas diariamente para consumo, não passam de 20 por dia e cerca de 100 no período de um ano. São mais de 27 mil  espécies que podem ser usadas para nos alimentar.

Os alimentos básicos da America do Sul, lado brasileiro, eram: mandioca, batatas, inhames, taiós, tubérculos alimentares. No lado andino o representante básico era o milho, o “maiz”, isto é, grandes grãos de milho e com mais de 300 tipos diferentes. Com a Expansão Europeia das Grandes Navegações o povo português e o espanhol trouxeram nas caravanas o arroz e o trigo, difundindo este cultivo em solo tão nutritivo, mas não preparado para este cultivo como o meso oriente e oriental na Europa e Ásia.

Não podemos esquecer das caixas de bacalhau português e dos países escandinavos, que chegavam para a Coroa Portuguesa no período escravagista. sustento da Classe Imperial Portuguesa. Com a sobra das partes não nobre e desprezadas dos porcos o povo africano transformou num prato famoso junto com o feijão a nossa feijoada brasileira.

Passado 5 (cinco) séculos, mais que 50% das espécies alimentares consumidas em solo brasileiro são de origem da Europa e da Ásia. No seu cultivo aqui (arroz e trigo), gastamos bilhões de dólares na preparação do solo e no uso de sementes modificadas e no consumo de toneladas de pesticidas.LINK BRASIL CONSUMO AGROTÓXICOS.

O Brasil importa mais de 60% de todo trigo consumido e cerca de 90% dele é produzido na região sul.

As modificações genéticas e hibridizações dos cereais: milho, trigo, soja foram feitas na década de 50 e 60 nos centros de pesquisa agrícola da serra gaúcha com tecnologia americana.LEMBRAR DO PAI DO TRIGO DO RS. DR. IVAR BECKMANN e as mutações genéticas do trigo e as doenças geradas.

O trigo adoeceu e gerou na população : obesidade, diabetes mellitus, dislipidemias, artroses, demências, intolerância ao glúten e doenças afins, além de doenças autoimunes -BARRIGA DE TRIGO.

ALIMENTO - MATO SAUDÁVEL E NUTRITIVO.

Podemos aprender a comer mato saudável, nutritivo, de baixo custo e sem agrotóxicos. Gerando uma dieta saudável e geradora de saúde alimentar na dieta do brasileiro. O cultivo desses alimentos não precisa de agrotóxicos o que por si só não gera doenças e nem economia escravizantes e dependente das inúmeras industrias farmacoquímicas. É UMA REALIDADE NACIONAL.

O conceito vida verde, viva verde vida, trás a mesa do brasileiro alimentos com saúde e com nutrientes riquíssimos. Vida com qualidade. PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO CONVENCIONAIS.

Por Mauro Montaury Data:Jul 31, 2016 Comments : 0
 
 

Vida Verde. Parte I.

Por Dr. Mauro Montaury de Souza.

A vida surge da vida. Da morte não surge a vida. Não existe vida sem movimento da vida. MOVIMENTO DA VIDA. DR.MATHIAS RATH.

A Medicina da Vida se preocupa e orienta pela educação da vida, dos bons hábitos alimentares, atividade física regular, vida contemplativa / reflexiva. Uma vida sem o stress urbano sem a civilização da morte e das doenças advindas pós-industrialização com produção e consumo maciço de produtos químico-tóxicos para a saúde humana.

Aprendemos com as grandes civilizações que preservaram o conhecimento das suas tradições. Guardaram e divulgaram seus ensinamentos boca ouvido perpetuando sua sabedoria. Apresentaram poucas doenças, evitaram os seus vícios e maus hábitos e desenvolveram talentos nas suas comunidades. São as civilizações que possuíam colegiado dos anciãos e desenvolveram antropologia social e cultural voltada para sua evolução de vida.

Com o conceito Vida Verde tentamos minimizar os milhares de agrotóxicos usados abundantemente e que assassinam a saúde do povo brasileiro e da população mundial.

O agricultor desinformado e/ou teimoso e ignorante( falta de conhecimento), acredita que se não usar agrotóxicos não vai ter produção e lucro. Não sabe mais produzir alimentos sem venenos, sem agrotóxicos, sem toxicidade, sem doenças, sem cânceres para si e seus familiares. Existe toda uma população que consome seus produtos agrícolas.

Não sabem produzir sem sementes transgênicas, sem sua economia local atrelada as megas industriais farmacoquímicas imperadoras e fornecedoras mundiais de adubos e defensivos agrícolas, geradoras de doenças globais. É a industria de doenças e mortes escravizantes do ciclo pesticidas-doenças, remédios e mortes.Criada pela Revolução Verde.

A Medicina deveria se preocupar com as doenças geradas no trabalho com agrotóxicos em um século de vida de uma família como: doenças psico comportamentais (insônia, irritabilidade, cefaleias, depressão, agressividade, consumo de drogas, suicídios, homicídios, distimias, alterações cognitivas e comportamentais); cânceres de sistema vitais e locais como: pulmão, rins, intestino, boca, medula, linfático, óssea, sistema digestivo, cérebro, fígado, órgãos reprodutivos. Eram gerados em uma vida doenças com caracteres genéticos comprometendo sua descendência hereditária. Sua Biografia Humana.

As doenças mentais cérebro degenerativas são diretamente relacionadas e causadas pelos agrotóxicos tipo demências vasculares e Alzheimer, Doença de Parkinson e Síndrome de Korsakoff acrescida com etilismo e drogas.Esta população apresenta grande consumo de alcoólicos e de drogas.

Existem soluções para este sério problema mundial?

O que se pode fazer na atualidade?

Primeira resposta: Um indicativo prático o filme ” Um homem, uma vaca, um planeta”. Experiência do engenheiro agrônomo biodinâmico antroposófico australiano Dr. Peter Prodoctor

Segunda resposta: Temos que aprender com a maior vivência nutricional e experiência alimentar mundial que ocorreu no período da Primeira Grande Guerra, na Dinamarca. Este país sofreu um boicote econômico que bloqueou entrada de alimentos, produtos industriais e cereais. Encarregaram o Dr. Mikkel Hindhede de realizar o programa de racionamento de alimentos. Ficou registrado a menor incidência de mortes por doença na história do país: 34% a menos que a média dos dezoito anos anteriores, fato que torna difícil não fazer também uma relação entre a dieta vegetariana e a diminuição na taxa de mortalidade.SOLUÇÃO FOME MUNDIAL.

Com o boicote econômico e alimentar, os cereais que alimentariam os animais de corte e abate, foram usados para alimentar o povo dinamarquês. Nesta década posterior ao boicote econômico comprovou-se a menor incidência de doenças apopléticas (infarto agudo do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais) e de doenças crônicas degenerativas. Melhorou a saúde do povo escandinavo.

As doenças podem ser facilmente controladas e evitadas, o que dificultam são nossos vícios ou maus hábitos e o ganho secundário da indústria da doença e da morte (alimentos irradiados, conservantes, pesticidas, agrotóxicos, hormônios, metais pesados, radiação eletromagnética).Falta política de não violência.

É possível modificar nossos vícios alimentares ou modificar alimentos tão contaminados que são vendidos nos centros agrícolas da periferia das cidades, vindas dos seus cinturões verdes que usam substâncias tóxicas na produção de alimentos?

Hortaliças não convencionais.

O Ministério da Agricultura distribuiu orientação das hortaliças não convencionais para estimular a produção de alimentos habituais, nutricionais e ampliar o leque da alimentação não contaminada e de fácil cultivo.PDF. MANUAL HORTALIÇAS NÃO CONVENCIONAIS.

Por mauro montaury de souza Data:Dez 3, 2015 Comments : 0
 
 

MÃE SAÚDE E O PAI DAS DOENÇAS.PARTE I.


Por Dr. Mauro Montaury de Souza.

Existe uma conduta ou comportamento humano que predispõe as doenças?

Existem mecanismos de adoecer na vida moderna ou na civilização atual?

É possível evitar doenças comuns e viver mais longevo em saúde, evitando as doenças crônicas degenerativas?

Na atualidade em meio ao caos moderno conseguimos manter uma saúde espiritual, mental, nutricional, emocional e física boas?

Como viver sadio sem a polifarmacia/farmacotoxia, sem os alimentos intoxicados, sem os poluentes diários e sem a vida caótica moderna?

Existem no Planeta Terra zonas azuis de diferentes continentes e localizações com alta incidência de longevos, o que impede de viver esta realidade? ZONAS AZUIS LONGEVAS-http://www.superateatimismo.com/el-secreto-de-las-zonas-azules.html

Podemos viver num mundo mais sustentável, equilibrado e sadio, sem ser uma utopia ou o paraíso perdido?

É possível exterminar as pragas da civilização como Guerra, Fome e Doenças? MOVIMENTO DA VIDA –Dr. Mathias Rath=YOU TUBE. https://www.youtube.com/watch?v=QjbSfhdnU1w

Teria uma lista extensa de perguntas para fazer, mas a seguir usarei o critério respondendo as mais comuns perguntadas ou questionadas.

A VIDA É A GRAÇA DA CRIAÇÃO.

O importante na vida é a VIDA em todas suas dimensões e em todas suas plenitudes.

A MENTE é criadora de mundos e descobridora dela. Os nossos envoltórios energéticos vão apontar, dizendo como estamos em cada fase da nossa biografia humana e em cada instante.

Somos muito frágeis e perenes e esquecemos que A PAZ equilibra nossos múltiplos sistemas energéticos. É a homeostase natural.

Manter sua saúde é tão importante quanto amar, dançar, cantar, correr, brincar, comer, dormir ou simplesmente viver.

Como a pessoa vive, o que pensa, o que come, os seus vícios, onde mora, como e onde trabalha, o seu stress diário, sua atitude perante a vida otimista ou pessimista, como dirige um carro, sua casa, sua empresa e sua vida social, dirão como  evoluirá na sua vida, na sua saúde e nas suas doenças.

Lembrar que a Primeira Medicina do Médio Oriente foi na Grécia com Hipócrates, Pai da Medicina. Dentro da mitologia grega surge Hygéia, Deusa da Saúde, da Limpeza, da Higiene e do Saneamento. Neste período nasce a Terapia pelo Movimento, a Fisioterapia, princípios da Homeopatia e a Integração homem com a natureza.

O tratamento médico era mais preventivo que curativo, o oposto que ocorre na atualidade.

Num mundo em conflito, onde a segurança é a bola da vez, a saúde é esquecida como sendo fundamental para uma vida com qualidade e geradora de longevidade.

Cada procedimento para doença vai ser impreterivelmente baseado e dependente do conceito filosófico, ou da forma mental elaborada de saúde, e dos interesses econômicos envolvidos neste processo.

Como penso é como falo e como ajo. Como disse um grande mestre oriental RAMATIS: ”O Ser Humano pensa pelo mental, sente pelo astral e age pelo físico”, mas como nós humanos imperfeitos pensamos uma determinada coisa no mental, sentimos nas emoções algo diferente e na hora de executar ou realizar fazemos totalmente diferente da premissa mental primeva fundamentada.

Os maiores vilões da atualidade no processo de adoecer estão ligados diretamente ao processo alimentar e na incorporação deles na corporalidade humana.

É a Doença Plurimetabólica ou Síndrome X ou simplesmente Obesidade.

E a Obesidade é a doença mãe geradora das doenças da civilização atual. É fator de comorbidade com outras doenças e às vezes o simples fato de se perder peso somem ou minimizam várias enfermidades afins, correlatas ou doenças crônicas degenerativas. Entre elas: hipertensão arterial, diabetes mellitus, cefaleias, enxaquecas, artroses, dislipidemias, gota, cânceres, etc.

A REVOLUÇÃO VERDE

http://www.resumosetrabalhos.com.br/revolucao-verde.html

www.cesjf.br/revistas/cesrevista/edicoes/2007/revolucao_verde.pdf

http://www.mma.gov.br/seguranca-quimica/agrotoxicos

Período após a Segunda Grande Guerra Mundial onde o pensamento americano capitalista queria produzir muitos alimentos e exterminar com as doenças dos alimentos (fungos, insetos, bactérias, vírus, parasitoses, etc.) usando o excedente das substâncias tóxicas de guerra (indústria fármaco química mundial). Idéia errada baseada na carência de alimentos pós-guerra, na fome e oportunistas capitalistas ligados a mega indústrias alimentares e farmacoquímicas geraram este caos dos agrotóxicos e a total dependência médico, alimentar e financeira. Acabaram criando uma produção agrícola de monocultura no mundo todo e a geração de alimentos mutagênicos que dependem dos transgênicos atuais para produção de um só alimento, degradando o solo, o homem que nele trabalha e o alimento produzido.

Precisamos ser donos do nossos destinos e senhores das nossas vidas. Desenvolver a Educação para a Vida, a Medicina da Vida e a Vida em toda sua plenitude.

Por Mauro Montaury Data:Ago 1, 2015 Comments : 0
 
 

Pão da Vida x Pão da Terra. Parte I.

Por Dr.Mauro Montaury

A Vida vem da Terra, nossa Mãe Gaia, nossa geradora, nossa alimentadora, nossa nutridora de toda energia e vida.

O pão nosso de todo dia era o trigo em maior proporção e outros grãos em menor concentração.

O trigo das estepes da Eurásia e África alimentou o homem e fixou ao solo. Ele foi uma das primeiras gramíneas cultivadas. Era o trigo primitivo da Jordânia,Israel,Egito.

A variante primitiva , o trigo “cascudo” que tinha paladar e aroma e um sabor meio de amendoim.A Variante primitiva que ficava no alto das hastes de trigo e diferente das atuais não caía com simples ventinho.

O trigo primitivo “emmer” e “einkorn” quando ingeríamos fazia nossas glicemias variarem pouco e nos alimentava ao longo do dia mantendo dispostos diariamente.

Não ocorriam grande alterações de glicemia, e como não ocorria hiperglicemia súbita não estimulava excesso de insulina circulante e não depositava gordura visceral e nem barriga de trigo.

O trigo primitivo nos fixou na terra e o atual nos adoece.

Temos que romper o preconceito criado pela indústria alimentar que tudo que é integral em grãos é saúde pura, ilusão que a indústria alimentar criou no nosso mental.

O que aconteceu com o trigo nestes 70 últimos anos?

O processo de hibridização artificial e modificação genética nestes 60 anos gerou algo doentio que não é mais o trigo originário ou primitivo.Barriga de Trigo Dr.Willian Davis.

NÃO COMAMOS MAIS O TRIGO SE QUISERMOS MANTER A SAÚDE.

Comemos um alimento que não é mais o trigo e que nos adoece.

RETIRE TODO TRIGO DA SUA ALIMENTAÇÃO e todo o processo de regressão de doenças vai acontecer contigo.“Barriga de Trigo.Dr. Willian Davis.Entrevista 1/2

Lembre que o trigo é fonte de mais de 20 % de todo alimento consumido diariamente por toda população em diferentes formas de preparo nutricional.

VEJA SITUAÇÕES DE MELHORA DE DOENÇAS RETIRANDO O TRIGO EM:

  • Redução do colesterol total e LDL.
  • Perda de peso de 5, 10, 15,20 e 25 kg em alguns meses. Melhora da obesidade.
  • Melhora da fase pré-diabética, regressão da fase diabética.
  • Recuperação da densidade óssea e reversão da osteopenia.
  • Cessação de transtornos dermatológicos.
  • Melhora dos processos imune e inflamatórios envolvendo artrite reumatoide (fase inflamatória),  doença celíaca e doenças inflamatórias intestinais.
  • Regressão do principal mecanismo da Doença Metabólica (com alívio da síndrome metabólica e do diabetes do tipo 2).

Múltiplas doenças regredindo retirando um único alimento.“Barriga de Trigo.” Dr. Willian Davis.Entrevista 2/2.

O processo de hibridização artificial e modificação genética nestes 60 anos gerou algo doentio e que não é mais o trigo.

Na parte II falaremos das proteínas do trigo que causam doenças e seu mecanismo fisiopatológico.

Voltemos agora para o PÃO DA TERRA, aquele que não tem trigo e não foi contaminado pela industrialização genética e nem pelas doenças geradas por ele cujas principais são: obesidade, diabetes mellitus e processos inflamatórios disseminados.

O que fez as pessoas que não tinham condições econômicas de comprar o trigo e não adoeceram com ele?

Eles fizeram o PÃO DA TERRA:

  • Pão de Aipim.
  • Pão de Inhame.
  • Pão de Milho.
  • Pão de Milho e Cará.
  • Pão de Batata doce.
  • Pães de produtos da terra sem interferência do processo industrial.

Ao mudarem o pão de trigo comum ou integral para o pão da terra, ficará mais saciado, não terá grandes alterações de glicemias e gradativamente ao retirar o trigo sentirás que sua barriga não estufará, não terás desânimo ou astenia e nem irritação ou insônia ou alteração de humor, além de outros sintomas que ao longo do tempo perceberas.

Ao não usarem o trigo por dificuldade econômica, a população agrícola que fez o pão da terra não desenvolveram obesidade, diabetes mellitus, artrite, doença inflamatória intestinal e doença celíaca.

A população americana com o problema do colesterol e acidentes vasculares tipo IAM e AVC, ao retirar estas gorduras da dieta alimentar diária tiveram um BUM de obesidade leve a mórbida em 1 década. Vocês sabem o motivo.

Por Mauro Montaury Data:Out 10, 2013 Comments : 0